sexta-feira, 10 de outubro de 2014

nada mudou






                    nada mudou...







Esse mar, que não tenho
O poder de abrir.
Ainda é mesmo...
O tom de verde profundo.
Ainda é o mesmo...
O cheiro de maresia,
Que se mistura ao perfume da pele.
Ainda é o mesmo...
O abraço morno e
Envolvente das águas.
Ainda é o mesmo...
O horizonte tingido de dourado
Pela doçura do sol poente.
Ainda é o mesmo...
O som das ondas quebrando na praia,
Que parecem sussurrar teu nome.
Ainda é o mesmo...
O sopro da brisa que desarruma
Cabelos e sentimentos.
Ainda é o mesmo...
Até a saudade, que grita aqui dentro.
Ainda é a mesma...
Nada mudou...

Glória Salles.















Nenhum comentário:

Postar um comentário